domingo, 10 de dezembro de 2017

É melhor ser quem você é



As vezes fico pensando se realmente eu tenho potencial para ser escritor. Passo alguns minutos divagando sozinho quando estou solitário em algum local. Fico pensando no que farei da vida quando ficar desempregado. Preciso sobreviver, preciso ganhar dinheiro, preciso me sustentar. Preciso arranjar alguma forma de utilizar meus talentos para algo, nem que seja algo lucrativo ou não, mas tenho que utilizar. Passei um tempão sem escrever neste blog porque estava bastante deprimido e infeliz, haja vista que estava escrevendo e ninguém lia meu conteúdo. Preparei um romance e enviei  a uma editora, que simplesmente deve ter pegado o manuscrito e jogado no lixo sem ao menos ler o primeiro capítulo. Fiquei chateado, mas não desisti. Procurei um contato e encontrei um escritor e jornalista que tinha experiência no assunto. O indivíduo disse que poderia avaliar meu material. Com muita animação, converti o Word em PDF e mandei o romance para o cara. Até hoje nunca me contatou para falar se o livro era ou não de potencial para vender. Fiquei ainda mais desanimado. Isso aconteceu no início deste ano, e desde esse tempo é que não escrevia mais neste blog. Passei quase um ano lendo livros e escrevendo trabalhos de faculdade, sem ao menos se lembrar do Transar e Escrever. Para mim, a vida de escritor não existia mais, pois achava que não tinha capacidade de ser um grande escritor. Hoje, relendo alguns textos meus, bastante antigos, e assistindo alguns videos de autoestima e autoajuda, cheguei à conclusão de que a maior besteira que existe nesta face da Terra é simplesmente largar aquilo que você gosta porque tal coisa não agrada os demais. Acho isso uma extrema idiotice e não sei por quanto tempo vou ficar pensando em como fui burro em ser assim. Acho que devemos fazer "aquilo que gostamos de fazer", independentemente se alguém adora ou não. Gosto de escrever e gosto de escrever sobre sexo e outras coisas juvenis. Sei que muitas pessoas não gostam, mas sei que outras acham interessante. Cheguei à conclusão de que, escrevendo aquilo que gosto de escrever, tenho muito mais chance de ser feliz do que aqueles infelizes que só fazem determinados tipos de coisas simplesmente pelo dinheiro. Eles podem ganhar dinheiro, mas não são tão felizes assim. Eu posso não ser um homem que ganha uma fortuna vendendo livros, mas em compensação tenho leitores fiéis que, apesar de não me darem dinheiro, me dão a sorte de ter elogios por ser um ótimo escritor dentro de um universo que muita gente se interessa mas poucos tem coragem de se aventurar.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Mais tarde tem...


Psiu! Ei gatinho..., sussurou Carolina. Estava sentada na calçada de sua casa. Teclando o celular, a garota estava entretida, lendo as mensagens recebidas online. Quase não visualizou Gabriel, que fazia sua caminhada rotineira pelo quarteirão. Eram pouco mais de cinco e meia da tarde. O céu escurecia. Os moradores permaneciam em casa. Alguns voltavam do trabalho e, sem mais nem menos, entravam em suas casas e se isolavam. Queriam ficar com suas famílias. A luzes eram acesas. Os postes começavam a iluminar as ruas.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Coisas inesperadas


É algo bastante simples. Vou faze-lo porque coisa interessante a se fazer além disso é praticamente impossível. Vou escrever.
Seu Blog · Design por Alves Alvin · Todos os direitos reservados - Copyright © 2014 · Tecnologia do Blogger